Thursday 05th December 2019
x-pressed | an open journal
May 22, 2013
May 22, 2013

A feia verdade sobre a liberdade religiosa na Grécia

Author: Anda Psarra Translator: duolingo
Source: EfSyn  Category: Antifascism
This article is also available in: eneselfrit
A feia verdade sobre a liberdade religiosa na Grécia

Nas averiguações do Departamento de Estado para 2012 foi chamada atenção para as ações claramente anti-semitas e racistas do Golden Dawn.

O contundente relatório de 2012 do Departamento de Estado para a liberdade religiosa na Grécia não tem precedentes, mas parece que vai ter um futuro brilhante. Isto poderia ter sido uma boa razão para o bispo Amvrosios tocar tristemente os sinos do fanatismo, em vez de tornar-se a causa dum outro relatório humilhante para a tolerância religiosa no próximo ano.

Apesar da indicação correta do relatório para as disposições da Constituição grega sobre a tolerância religiosa, este relatório também aponta as restrições e a discriminação social contra os outros grupos religiosos não-ortodoxos.

O relatório faz claramente referência para a aberta conduta anti-semita e racista da Golden Dawn, juntamente com os ataques violentos contra indivíduos. A influência da Igreja Ortodoxa Grega no âmbito social, político e econômico é também destacada, assim como a desconfiança com que os cidadãos gregos não-ortodoxos são tratados, especialmente os membros da minoria muçulmana na Trácia.

Privilégios

O relatório faz uma breve descrição da não-separação entre a Igreja e o Estado, afirmando que “O governo estende à Igreja Ortodoxa privilégios e prerrogativas que não são estendidos rotineiramente para outros grupos religiosos. O governo paga pelos salários e pela formação religiosa do clero ortodoxo, financia parcialmente a manutenção dos edifícios da Igreja Ortodoxa e fornece uma isenção fiscal para os rendimentos do patrimônio dela. A instrução religiosa ortodoxa nas escolas primárias e secundárias, às custas do governo, é obrigatória para todos os alunos, embora os alunos não-ortodoxos podem ser dispensados a pedido ” O relatório também faz extensa referência aos muftis (juristas islâmicos) indicados pelo governo e seus serviços permitidos, bem como para o cumprimento da lei Sharia no direito de família.

Além disso, o relatório refere-se à questão da blasfêmia, que é seletivamente punível e ao cumprimento essencialmente inativo da Grécia para o direito à objecção de consciência. O relatório fala sobre o caso particular dum homem de 27 anos que foi para a prisão acusado de blasfêmia e de insultar a religião. O seu crime foi criar uma página no Facebook com o nome “Pastitsios”, como uma zombaria do nome dum lendário monge do Monte Atos.

É enfatizado o fato de que a Golden Dawn, um partido político abertamente anti-semita e xenófobo, foi eleito para o parlamento nacional, pela primeira vez, com quase 7% dos votos.

“O líder do partido Nikos Michaloliakos negou publica e repetidamente o Holocausto e muitas vezes deu saudações nazistas em eventos públicos. Passagens dos “Protocolos dos Sábios de Sião” foram lidos dentro do parlamento grego. “
Organizações nacionais apelam às autoridades para fazer mais para combater a retórica anti-semita da Golden Dawn e ações violentas.

Por fim, recolhe incidentes específicos:

Incendiários atacaram vários locais de culto, incluindo mesquitas informais no centro da cidade de Atenas e templos religiosos de Testemunhas de Jeová em Thessaloniki, Igounenitsa e Serres. A polícia investigou todos os casos, mas não identificou os criminosos.
Houve inúmeros relatos de incidentes anti-muçulmanos. Em março vândalos fizeram pichações, afirmando que “O melhor turco é o turco morto” nas paredes de um túmulo Bektashi (ordem Sufi islâmica) em Xanthi.

Membros do partido Golden Dawn em motocicletas gritaram slogans racistas em aldeias muçulmanas em várias ocasiões.
Houve relatos de assédio e ataques físicos cada vez mais violentos contra indivíduos percebidos como os imigrantes e refugiados, muitos dos quais eram muçulmanos.

A Rede de gravação da violência racista documentou ataques contra 190 vítimas entre outubro de 2011 e dezembro de 2012, mas acredita-se que o número total seja maior porque imigrantes em situação irregular muitas vezes têm medo de relatar tais incidentes.

Anti-semitismo

Expressões de anti-semitismo aumentaram depois que membros do Golden Dawn entraram para o parlamento.

A edição de julho do jornal Eleftheri Ora, associado ao partido Golden Dawn, incluiu cópias dum folheto dos “Protocolos dos Sábios de Sião”, com uma introdução do Padre Eustathios Kollas, presidente honorário da Associação de Sacerdotes Ortodoxa Grega.

O Tribunal de Atenas adiou até maio de 2013 o julgamento de jornalistas e representantes da comunidade judaica processados em 2007 pelo autor Kostas Plevris por difamação. Os ativistas criticaram publicamente os juízes que mantinham a convicção de que Plevris queria “incitar o ódio e a violência racial com o seu livro O Judeu – The Whole Truth. (Nota do editor: o julgamento acima é fixada para hoje).

O embaixador e outras autoridades dos EUA se reuniram com altos funcionários do governo, incluindo o secretário-geral para as religiões, os líderes municipais e membros do parlamento, para promover a tolerância e diversidade religiosa e instar o governo a falar mais forte contra a retórica anti-semita e racista e as ações violentas da golden Dawn.

This article is also available in:

Translate this in your language

Like this Article? Share it!

Leave A Response